Serenidade

Sensibilidade...

06 maio 2010

Penumbra


(Foto de Serenidade)


Uns dias o Sol brilha mesmo que ofuscado pelas nuvens,
outros está ofuscado pelo véu ilusório da mente,
mente que atrapalha e mente sem parar,
mente que perturba o presente do presente.
O mental ego sobressai e exalta-se num salto,
num momento que em nada estava em alto,
o olhar de desaprovação, de si, ocorre num assalto,
deteriorando a ilusória lucidez dum ponto alto.
Rápido desceu ao mais profundo de si,
viu a escuridão que sobressaía da ilusão
de que tudo tem de ser perfeito,
mesmo que nada seja do teu jeito.
Na descida abrupta, deparou-se com o amor,
que rápido ripostou com enorme fervor,
“desce, desce, não penses que te acompanho,
não sou a ilusão que te permites sentir,
mesmo assim permito-te um afago,
sei que vais rápido subir,
ver a luz que te envolve,
a alegria do sentir,
sem que nada te tolde”.
O rodopio das moléculas de água toldaram o olhar,
a frustração a que se permitiu, começou a abalar,
no abraço aconchegado ao amor que seu é adormeceu
pós minutos de penumbra do sentir, não do que aconteceu.
Está grata pela luz do amor,
da compreensão,
do abraço reconfortante, dado com fervor.
"O coração é o relógio da vida. Quem não o consulta anda, naturalmente, fora do tempo." Machado de Assis.

2 Comments:

At 13/5/10 10:15, Blogger 南台灣 said...

I like it.
health&happy..

 
At 15/5/10 10:17, Blogger IsaMar said...

Oi...
Sempre ouvi dizer que "o sol quando nasce é para todos".Mas nem sempre ele aparece. Há dias sombrios, cheios de nuvens, tal como a vida onde há dias bons e outros menos bons. Mas, lá vem o dia onde ele salta-nos em cima e fortalece-nos com o seu brilho e sua energia.

beijinhos da Isabel da Madeira

 

Enviar um comentário

<< Home

Free counter and web stats