Serenidade

Sensibilidade...

19 outubro 2015

Procuro-te

(Foto de Serenidade)
Procuro-te!
Procuro-te perdida entre o norte e o sul, sem que o Sul seja sul e o Norte seja norte. 
Sinto-me desnorteada e fico vagueando o olhar entre o ontem e o agora.
Onde estás?
Perdido?! (Eu estou na minha ausência até à tua presença!)
Perdido na ausência do meu calor?! No calor de um dia a dia feroz que consome e congela o coração de quem ama e é amado.
Não um amor de palavras! Um amor como deve ser! O amor com o teu toque, o teu calor, o teu cheiro, o teu sabor... 
Procuro-te!
Encontro-te em mim.
Já sou o teu toque, sou o teu calor, sou o teu cheiro, sou o teu sabor... Sou Eu, contigo em mim...

07 setembro 2015

Saudade

(Foto de Serenidade)
Apetece-me dizer-te o quanto tenho saudades de ti, 
dos tempos em que rapidamente as letras se uniam em palavras e estas em frases ou versos. 
Com, ou sem, nexo aos olhos dos que te liam, 
eram, para mim uma fonte de tranquilidade e de conforto. 
Sim, tenho saudades dos tempos em que dormia a escrever-te, 
a dizer-te o quanto a dor e a alegria, eram importantes para mim e para ti… 
Lembro dos tempos em que partilhava contigo tudo o que doía, 
o que me alegrava, o que causava êxtase, os medos, as ansiedades e 
todos as emoções que um comum mortal exala a cada inspiração, a cada expiração….
Que saudade deste bater de teclas acelerado, 
a tal ponto que as letras atropelam-se de tanto quererem ser expressas; 
deste coração que quase sai pela boca pela ânsia de dizer o que vai lá dentro e 
que tem ficado fechado a sete chaves… 
sem querer sair? 
Com medo de sair? 
Pela incompreensão? 
Ou pelo medo da constatação???
Que saudades eu tenho deste rosto que sorri, 
da vida que há em mim e que tanto quer estar em ti!

Será um recomeço? 
Vamos voltar a enamorarmo-nos? 
Posso voltar a cativar-te?

11 julho 2015

Viver o amor...

(Foto de Serenidade)

Gratidão infinita é o que sinto,
Por tudo o que chorei,
Por tudo o que ri e gargalhei,
Por tudo o que não vivi e sonhei…

Viver o amor, nem sempre é amar o viver,
É sonhar com uma amanha ao teu lado,
Mesmo que a vida não sorria
E almejar um melhor fado…

Choro, riu, séria ou brincalhona
São tudo facetas de um mesmo ser
Que, embora o rosto sorria,
É mais um simples parecer…

Viver o amor nem sempre é amar o viver,
Mas certamente é amar o amor,
Que ao lado ou à frente

Transmite sempre seu calor…

"Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade."

11 março 2015

Vivencio

(Foto de Serenidade)

Vivencio o amor que me dás,
Sem que fisicamente o sinta.
Vivencio a ternura que se ausenta
Na tela mental que se pinta.

"Algum desgosto prova muito amor, mas muito desgosto revela demasiada falta de espírito."

14 fevereiro 2015

mero registo


Que distância é esta que nos separa,
Que me faz sentir, de ti, nada perto,
Que ausência é esta tão voraz,
Que me deixa num deserto.

Quem sou eu na tua falta,
Vivo ou existo?!
Sou o nada, no Todo,
Nesta existência, um mero registo.

Que o Universo conspire a nosso favor,
Que a vida nos dê o amor que oferecemos,
Que o teu corpo me dê o teu calor,
Que, na distância, nos confortemos.

Que a minha mão aperte a tua,
Que o meu toque chegue ao teu rosto,
Que sintas o aconchego do meu abraço

Que chegue depressa Agosto…

"Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?" - Fernado Pessoa

11 dezembro 2014

Queria e Quero

(Foto de Serenidade)

Queria contar-te o quanto te amo,
o quanto espero o teu abraço,
o teu carinho, o teu beijo,
tirares, em mim, o teu pedaço.

Queria dizer-te o quanto te desejo,
o quanto sou inteiramente tua,
o caminho que tenho percorrido,
entre o meu Sol e a tua Lua.

Queria ser o luminoso astro-rei,
encaminhar-te ao meu encontro,
proteger o teu caminho,
evitar o confronto.
Queria conhecer o compêndio,
que evita toda a dor,
mesmo que, sendo por ela,
que se cresce no próprio amor.

Queria-te aqui e agora,
bem junto à minha pele,
sentir o teu cheiro em mim,
o motivo que me impele…

… a viver o dia com um suave sorriso,
(anda fugido, o aberto e sonoro,)
na espera dum olhar terno,

aquele, que sabes, adoro.


04 novembro 2014

Letras

(Foto de Serenidade)

Percorro os silêncios nos sons agrestes emanados pelo vento.
Um vento forte que maltrata o corpo e a alma no momento,
A pele seca e a o cabelo fica eriçado,
A mente agita-se o coração maltratado.
A voz lançada ao deus dará,
Entra no lado esquerdo e prejuízos fará,
Só a voz do meu silêncio apazigua,
A outra faceta da lua.
Há o silencio e os sons gemelares que me alimentam,
Os sorrisos de uma fragilidade que o meu coração arrebentam,
Há o saber sem motivo aparente,
Que os vocábulos podem não ser um belo presente,
Não sabem porque se pronunciam,
Arremessados, podem sair como não queriam,
Mas há o silêncio por trás de tudo,
O que está para lá do conteúdo.
O sentir é o mais importante,
Sem mais me sentir distante,
Das letras unidas, à ausência de som,
Junta-se o meu maior dom,
Amar incondicionalmente

Ser fiel a mim mesma permanentemente.

"Sempre que uma mulher apaga a própria luz, metade do relacionamento fica às escuras."
- Lígia Guerra em "Mulheres às avessas"

Free counter and web stats