Serenidade

Sensibilidade...

03 fevereiro 2008

Palpita a inquieta inquietação

(Foto de Serenidade)


Âmago corpóreo, corroído, na inquieta fragrância,
agitaram-se os fluidos da louca correria, na distância.
Há um pronuncio de uma voz muda. A mente?
Falácia do eco do meu amar, evidente.
O céu proclamou disposições,
archotes dispersos na iluminação,
deuses submetidos ao preparo do festim,
de ensejos que se pretendem sem fim.
Encurta-se o tempo da demora,
contrai a separação nas horas dilatadas,
palpita nas vísceras ritmadas,
o encontro da inquietação inquietada,
na sublime defrontação das ritmadas passadas.
A convergência sentida, vivida,
transmuta-se na par direcção prosseguida.
Mesclam-se verbais partituras,
confundem-se os distintos murmúrios,
unem-se as vozes num só pronuncio,
o rumor do timbre do amar,
Universo assegura conquistar.



"Nada fortalece mais a vontade do que fazer diariamente algo de acordo com uma intenção firme e oposta ao que é habitual e aceite pelo ambiente."
Paul Brunton

11 Comments:

At 3/2/08 13:40, Blogger Silvia Madureira said...

Este texto transmite uma força e uma energia indescritível...
Além de muito bem escrito, fala de mudança, de força, de procura e tudo isto pode ser resumido na palavra amor.

beijinho

 
At 3/2/08 14:34, Blogger Divinius said...

Poesia é sentir...não interessa a complexidade de como se escreve o que interessa é o que se passa...
É o que se faz sentir
Alguém que pense sabe que assim é...Fernando Pessoa tinha uma escrita simples o resto...nem por isso...
Bj:)

 
At 3/2/08 18:33, Blogger Joseph said...

Carla,
Olá

Brigado pela visita.

Este poema, dos tais que me dá a volta aos neurónios, está quase, quase a chegar lá.

O poema é lindo, e nota-se a procura sobretudo do amor, que é como eu gosto de te ler...

"...palpita nas vísceras ritmadas,
o encontro da inquietação inquietada,
na sublime defrontação das ritmadas passadas."

Só tu.

Tens um award à tua espera no meu blog, está mesmo no início do blog. É teu. Ofereci-to por isso quando puderes leva-o.
E aproveita para levares um dos selos de link que tenho, junto à minha foto, pois ainda não o levaste.

Beijinhos** ternos, querida amiga.

 
At 3/2/08 20:18, Blogger Black Rose said...

O eco do amar junta as placas tectónicas que separam os continentes do Amor criando assim um só mundo, e assim permanecerá...

 
At 4/2/08 10:48, Blogger Papoila said...

Muito bonito esta tua inquetação inquetada....

Beijinhos
BF

 
At 4/2/08 13:28, Blogger Menina do Rio said...

E nesse encontro inquieto que as horas se dilatem e que a espera seja breve...

Um beijinho de boa semana

 
At 4/2/08 14:32, Blogger Secreta said...

O "amar" tudo conquista, tudo!
Beijito :)

 
At 4/2/08 17:27, Blogger IsaMar said...

Olá Carla.
Nada melhor que lutar por aquilo que queremos. Só assim a conquista terá o seu valor.
Mas antes demais temos que acreditar na nossa força, no nosso eu...o que deveria ser uma constante.

Como diz Paul Brunton, essa conquista...essa busca...o nosso querer tem de ser Firme.

Quanto mais vacilarmos...mais nos distraimos...mais andamos perdidos.

Mas tb é pela inquietação...que melhoramos a nossa atitude..pois muitas vezes a insatisfação existe porque algo está mal e queremos melhorar.

Beijinhos madeirenses

Saudades

 
At 4/2/08 18:01, Blogger Betty Branco Martins said...

________________minha querida



_________"inquietação"___________o rumor do timbre do amar_______...


_________Os nossos cépticos eruditos nos dirão que estes êxtases espirituais são meros distúrbios do sistema nervoso e os médicos provavelmente os rotularão de "excesso de pressão sanguínea" ou outra coisa. há os que quererão investigar estas asserções num solene conclave

______mais sábios seriam______no entanto se investigassem os seus próprios eus________...


(Paul Brunton)






beijO c/ carinhO

 
At 4/2/08 18:10, Blogger Reflexos said...

Este poema transmite uma energia de semelhante maneira que n da para explicar.
um poema muito bonita

obrigado. tu também escreves muito bem.
BJ
ABC
vive uma vida xeia de REFLEXOS.

 
At 6/2/08 08:48, Blogger @zulebranco said...

Inquietação vida,amor, e outras venturas e amarguras prometidas ou não pela vida e na vida nos encontram nos nossos caminhos, ao encontro dos nossos passos, nas ruas e vielas nos recantos onde por vezes criamos nossos espaços,nos sentidos, sim, sempre nos sentidosque nos dão a ilusão de estamos envolvidos por medos e coragem nessa dicotomia da vida que nos faz tremer e nos causa desespero e inquietação como a vida e a morte o sossego e a agitação e a surpresa que um dia há-de chegar....
Muito interessante, bem delineado e com força...Sorriso grande para ti... É mesmo um privilégio poder ler-te

 

Enviar um comentário

<< Home

Free counter and web stats