Serenidade

Sensibilidade...

27 março 2007

Chegarás!

(Foto de Serenidade)

Nas entranhas de mim Terra
guardo minha energia
relíquia de outrora
no hoje ressurgida.
Ecos do meu sentir
bradam para lá do horizonte
nas serranias o atalho
os trilhos no monte.
Thetys vagueando
entre pirilampos e luares
aqui e ali o rebento,
a luz dos seus olhares.
A lava ressurge violenta
qual amor aprisionado
de décadas de demanda
espírito apaixonado.
Na espera a relíquia
de pérola em ostra cativa
figura deveras esplêndida
na defronta mais que viva.
O voo amedrontado da garça
açoitado pelos vendavais
amainou na penosa demora
passados os temporais.
Ecoa meu singelo arrojo
para além do (a)mar
anseia ter-te presente
três minutos no meu lar.
Cavalgando voa até ti
que aguardas na estação
o comboio apressado
nem dá conta da união.
Relembra os tempos
que foram... e sempre serão
sons voltam e abalam
embatendo no coração.
Com laços de cetim
fiz gracioso pacote
com teu e meu sentir
antes que ele não volte.
E unos no Cosmos
nossa alma se encontra
aqui, a constante procura
daí a perpetua demora.

20 Comments:

At 27/3/07 00:43, Blogger Eduardo Abreu said...

Pergunto-me onde vais buscar essa inspiração quase diária...
Impressionante!

 
At 27/3/07 00:43, Blogger Eduardo Abreu said...

Pergunto-me onde vais buscar essa inspiração quase diária...
Impressionante!

 
At 27/3/07 07:51, Blogger @zulebranco said...

O comboio, o cosmos o (a)mar o medo de voar a dita perpétua espera na memória, talvez também o presente adjacente......a tua coragemde de editar nas palavras o teu sentir....Muito bonito e simples, muito singelo e belo....PARABÉNS

 
At 27/3/07 10:45, Blogger Joaquim Amândio Santos said...

a musicalidade sedosa está omnipotente neste versejar contínuo.
interrogo-me qual a força que ganharia quando erguido sob a estética de uma porosa poética encadeada.
poderoso.

 
At 27/3/07 14:39, Blogger JPAnunciação said...

Chega-nos este teu belo poema, como chegará tua "constante procura", nessa aparente "perpétua demora".
Um beijo.

 
At 27/3/07 15:09, Blogger Pierrot said...

Lindo...
Sereno...
Compassado...
Transmite uma paz enorme...sem ebulições...
Tão tipico teu
Bjos daqui
Eugénio

 
At 27/3/07 20:11, Blogger IsaMar said...

Nada tem mais valor..do que as nossas origens...a nossa terra...
Idas e voltas...coraçoes apertados..saudades...

Quando esperamos por alguem...essa espera por vezes é longa...

beijinhos

 
At 27/3/07 20:33, Anonymous naenorocha1@hotmail.com said...

Belo poema. Uma aventura cósmica.

Adorei,

Um beijo
Naeno

Vou te coocar entre os meus prediletos. Posso?

Beijos
Naeno

 
At 27/3/07 21:44, Blogger Verde said...

Nasci do sublime amor de um Deus e o azul do arco-íris, navego em um mar de luz, transformo cor em amor, sou aquele que te dirá onde pára o eco da palavra…

Profético beijo

 
At 27/3/07 21:44, Blogger Verde said...

Nasci do sublime amor de um Deus e o azul do arco-íris, navego em um mar de luz, transformo cor em amor, sou aquele que te dirá onde pára o eco da palavra…

Profético beijo

 
At 27/3/07 22:18, Blogger Nokinhas said...

Olá!

Mais um belo poema...
Partidas... chegadas... espera...
Esperança no futuro... Esse alguém por quem esperas um dia vai chegar... pode demorar... mas vai chegar...

Beijinho e boa semana!

 
At 27/3/07 22:57, Anonymous entre linhas said...

Poema onde a mãe Natureza é a musa inspiradora,muito original,onde faz um dueto entre a Terra e o nosso ser.

Boa semana

Bjs Zita

 
At 28/3/07 15:42, Blogger Plum said...

Mais um excelente poema que nos cativa a cada palavra!Abraços!*

 
At 28/3/07 16:40, Blogger Desassossego said...

Lindo como sempre.
serenidade, eu encerrei um capitulo da minha vida...
Vou passando, até construir um novo abrigo.
Beijo doce.

 
At 28/3/07 21:03, Blogger Doces Momentos said...

Gostei e prometo voltar deixando-te um beijo doce

 
At 28/3/07 21:43, Blogger Ghandy said...

Muito bonito, como sempre aliás...
Andas inspirada
fica bem
Bjs

 
At 28/3/07 21:47, Blogger Luna said...

Vassim vamos...na procura constante
beijinhos

 
At 28/3/07 21:50, Anonymous naenorocha1@hotmail.com said...

Mais um poema bonito que leio hoje. Antes de ti estava lendo Neruda, Noturno, mas a gente não deixa a desejar.

Um beijo
Naeno

 
At 28/3/07 23:35, Blogger Lia said...

E ao libertar a energia telúrica encerrada nos profundos abismos da terra, explode uma chama, um amor, que tudo transforma...

Adorei ler-te uma vez mais...

Beijinhos

 
At 28/3/07 23:38, Blogger perola&granito said...

:)

 

Enviar um comentário

<< Home

Free counter and web stats