Serenidade

Sensibilidade...

25 junho 2008

Dualidade

(Foto de Serenidade)


Dual a vida se perde,
o tempo sem tempo perece,
a lonjura entre a mente e o coração,
o querer encurta a ligação.
Exalas o suspiro da vida,
entre teus materiais a união não finda,
moléculas agitadas na ânsia de viver,
inquietas no acorde da existência aparecer.
Expiras o natural sorriso da inocência,
o Amor acompanhado na cadência,
dos sons celestiais prostrados na Terra,
na exuberância da colossal serra.
Dual, a vida é vivida,
na junção da requerida harmonia,
entre os opostos, que se repelem,
na aceitação que requerem.



"Tanto os homens como as mulheres devem ser simultaneamente suaves como uma pétala de rosa e fortes como uma espada..."
Osho

14 Comments:

At 25/6/08 08:34, Blogger @zulebranco said...

Entre o dever e o querer há o ser que o poder ou não poder separa. O rio também divide as duas margens. Umas vezes há pontes que as ligam outras vezes provavelmente muitas mais não.....Sorriso de sempre

 
At 25/6/08 17:47, Blogger O Profeta said...

Hoje o Sol pintou de luz o verde
As hortênsias são nuvens na terra
Plantadas por um deus romântico
No sortilégio que esta ilha encerra


Um sol de vida


Um mágico beijo

 
At 25/6/08 20:19, Anonymous Maria said...

Gostei deste espaço "SERENIDADE", que me lembra e fáz sentir a PAZ!

 
At 25/6/08 21:56, Blogger Multiolhares said...

Entre a dualidade vamos vivendo, descobrindo, aprendendo,
E quantas vezes sofrendo
beijinhos

 
At 26/6/08 11:32, Blogger Vicente FS said...

Temos duas existências:
A vida com que aprendemos; e a que levamos, depois disso.

 
At 26/6/08 17:24, Blogger Boneca de Porcelana said...

Vim pela teia, passei pelo reflexo e cheguei até aqui...

As dualidades e os contrastes fascinam-me... não pude seguir sem deixar um comentário.

A foto está magnífica.

Parabéns! :-)

 
At 27/6/08 17:05, Blogger Menina do Rio said...

Vivemos essa eterna dualidade e talvez seja esse o mistério da vida

Te desejo uma ótimo final de semana e convido-te pra comer uma fatia de bolo

 
At 28/6/08 18:10, Blogger saturno said...

Olá!
Agora que estou de férias vou poder visitar este lindo espaço mais frequentemente...já reparei que perdi vários belos poemas.
Gostei..:D

Beijinhos!!

 
At 28/6/08 21:05, Blogger Joseph said...

Carla
Olá

Linda foto.

Grande pensamento.

Belo poema!
Entre o suspiro inicial da vida,
o sorriso da inocência,
a vida vivida em harmonia,
como opostos que se atraem delicadamente.

Bom fim de semana e cuidado com o calor.

Beijos serenos e ternos;)**

 
At 30/6/08 14:21, Blogger Carol said...

É a dualidade que dá sabor à vida.

Adorei o poema, mas a citação é fantástica! Fiquei curiosa sobre Osho... Acho que vou pesquisar.

Beijos suaves.

 
At 30/6/08 23:46, Anonymous Dark@ngel said...

a mente e o coração são extremos opostos de uma mesma corda, na qual de dermos um nó, ficam juntos lado a lado tornando mais forte quem tem a capacidade de o conseguir fazer...
a vida é uma constante dualidade estre extremos opostos, que sem essa qualidade, todas a outras perderiam grande parte da sua essencia!!!

dark kiss

 
At 1/7/08 19:29, Blogger Fernanda said...

Olá
Um poema que nos leva para além do Amor.
Mas... o Amor... é sempre e será o Amor!

Beijinhos

 
At 1/7/08 20:00, Blogger Brisa da Manhã said...

Lindo o seu blog! Palavras, imagens... Parabéns! Obrigada pela visita! Beijos suaves da Brisa da Manhã

 
At 2/7/08 11:44, Blogger poetaeusou . . . said...

*
dualidade
,
duplicidades dos olhares,
,
conchinhas
,
*

 

Enviar um comentário

<< Home

Free counter and web stats