Serenidade

Sensibilidade...

27 maio 2007

Lágrimas de água pura


(Foto de Serenidade)

Manto silvestre, campestre,
tecido pela mão do artesão,
entrelaçam-se fios coloridos,
harmonia em exaltação.

Transparece a delicada robustez,
o vento embala e acaricia,
o manto de prata vestido,
tecto de veludo luzidio.

A brisa de Maio pára,
ouve passos, voz calma,
energia contemplativa,
emanando pura de alma.

Sinto notas da formosura,
suave, singular, composição,
abraço, meditando, o lenho
estabelece-se um elo de ligação.

A seiva alimenta o tronco,
estreita união sentida,
bem junto a mim o tenho,
no meu rosto o zumbido!

A linfa corre no lenho,
o sangue nas veias minhas,
curso da vida magnifica,
em todas as formas de vida.

Eu no Todo, o Todo em mim,
a força que me abraça.
pura água de olhos meus,
num riacho, que lá passa!




(Foto de Serenidade)

"Se você pensar que pode, ou que não pode,

de qualquer modo você estará certo."

Henry Ford

(1863-1947)

16 Comments:

At 27/5/07 00:18, Blogger DE-PROPOSITO said...

Olá
Este poema lembrou-me um de António Gedeão.
Há algo idêntico na parte 'oculta'.
Fica bem.
E a felicidade juntinho de ti.
Manuel

 
At 27/5/07 03:11, Blogger Cinza said...

Um sorriso para atenuar essa torrente de lágrimas...

 
At 27/5/07 12:34, Blogger Professora said...

Mas que poema mais bonito, fiquei feliz por o ler.

Um beijo

 
At 27/5/07 17:09, Blogger Bia said...

belo poema, cheio de serenidade tal como tu.
As fotos também nos transmitem aquela paz...
beijos e um bom domingo.

 
At 27/5/07 22:44, Blogger @zulebranco said...

Escrever o que vai em ti, o que vai por lá cá no mundo, não é para todos, e tu vais conseguindo fazé-lo de modo consistente, sereno e bonito....Ser poeta é ser mais alto......Tu estás no alto.....um sorriso e beijo sereno como a tua escrita e a tua alma.....Lindo...

 
At 27/5/07 23:43, Blogger Oficina dos Risos said...

"Viver é a coisa mais rara do mundo. A maioria das pessoas apenas existe". (Oscar Wilde)
Este poema é realmente bonito... um verdadeiro apelo aos sentimentos... Gostei de passar por aqui, como sempre...
Beijos e Risos... :)

 
At 27/5/07 23:46, Blogger Pepe Luigi said...

Adorei ler este lindíssimo poema!

Bjs.

 
At 28/5/07 11:30, Blogger Branca said...

O riacho corre...
E, olha para ele com atenção,
é tão puro, tão belo, tão livre...
Volta e meia ele corre-nos pelos olhos e torna-nos semelhantes a si...
Ficamos mais livres, mais puros, mais vivos...
Por isso, deixo-o correr em mim volta e meia porque sei que de seguida estarei melhor...

Boa semana! Beijinhos :)

 
At 28/5/07 11:33, Blogger MiguelGomes said...

E os rios das lágrimas límpidas...

 
At 28/5/07 12:42, Blogger Broken said...

No meu post anterior despedi-me da Broken...

Convosco partilho alguns excertos de um monólogo por mim escrito de coração aberto áquele a quem Broken sempre se dirigiu.

Nas minhas palavras perceberão a razão pela qual me despedi da personagem por mim criada, à minha imagem, enquanto mulher invadida pela dúvida.

...
Paula

 
At 28/5/07 13:23, Blogger Paulo Sempre said...

"Por umas lágrima...por uma lágrima tua, a alegria deixar-me-ia matar". (?)

Obrigado pela visita.
Paulo

 
At 28/5/07 14:23, Blogger Som Do Silêncio said...

Um belissimo poema, toma lá um sorriso e um beijinho para atenuar as tuas lágrimas.

 
At 28/5/07 17:18, Blogger Desassossego said...

Serenidade, deixei-te um desafio lá em casa... se quiseres...
beijo doce.

 
At 28/5/07 18:59, Blogger Plum said...

MAis uma fantástica sintonia entre imagens e poesia!Muito Bom!Abraços***

 
At 28/5/07 20:09, Blogger o alquimista said...

Passei para te deixar um carinho...

 
At 29/5/07 00:15, Blogger Isabel José António said...

Belíssimo poema.

Um grande abraço,

Isabel

 

Enviar um comentário

<< Home

Free counter and web stats